Imprimir

RISCO DE MORTE HOSPITALAR E UTILIZAÇÃO DE LEITOS CIRÚRGICOS EM UMA UNIDADE ESPECIALIZADA

Tema: Medicina

EDISON MORAES RODRIGUES FILHO
Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/sotirgs/www/terapia-intensiva-2017/show-trabalho.php on line 93

HOSPITAL DOM VICENTE SCHERER / ISCMPA
Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil/RS



Introdução e objetivos: doentes cirúrgicos com risco de morte hospitalar igual ou superior a 5% são considerados de alto risco, porém menos de 50% destes doentes tem sido admitidos no pós-operatório imediato nas unidades de terapia. A existência de unidades de terapia intensiva especializadas pode favorecer o acesso de doentes com menor risco cirúrgico em detrimento de doentes mais graves. Unidades especializadas são defendidas como benéficas para determinados grupos de doentes, pois a especialização parece representar uma hipótese atraente em função da premissa de que o atendimento de um maior volume de casos melhora os desfechos. O presente estudo descreve o perfil dos doentes cirúrgicos eletivos internados em uma unidade de terapia intensiva especializada, estratificando-os conforme o risco cirúrgico observado. Material e métodos: estudo de coorte no período de 01/01/2010 a 31/12/2016, incluindo todos as cirurgias eletivas internadas na UTI em pós-operatório imediato. Resultado: 2401 cirurgias eletivas e 129 cirurgias emergenciais. Os procedimentos eletivos mais frequentes foram: transplantes renais (1316) , transplantes hepáticos (487) , e transplantes de pulmão (165 ) . A mortalidade hospitalar dos principais procedimentos foi: 21 transplantes renais (1,6%), 61 transplantes hepáticos (12,5%) e 32 transplantes de pulmão (19,4%) .

Conclusão: o presente estudo confirma a indicação da recuperação pós-operatória imediata de transplantados de pulmão e fígado na unidade de terapia intensiva em função da mortalidade observada. O transplante de rim, no entanto apresentou uma baixa mortalidade e talvez possa ser recuperado em outras unidades. Uma possibilidade são unidades fast-track que preservem a especificidade do cuidado, pois não se pode descartar um benefício da recuperação na UTI especializada como atualmente vigente.




Imprimir